segunda-feira, 25 de julho de 2011

Super Choque - O Super-herói Ongueiro

中文   Français   Deutsch   Italiano   日本   English   Россию   Español

Assim como Capitão Planeta, Super Choque é uma propaganda política e nada mais. Duvida? Então me acompanhe:

"Na década de 90 a DC Comics abriu espaço para que um pequeno estúdio utilizasse suas gráficas e sua distribuidora para comercializar seus personagens, fornecendo parte dos lucros para a editora. O estúdio era conhecido como Milestone. Uma curiosidade do novo estúdio era o fato que todos os personagens eram negros e residiam em sua grande maioria em Dakota. As histórias em sua grande maioria embora fossem de super-heróis, tratavam basicamente de desigualdades sociais, envolvimento com drogas e brigas com grandes corporações." (Wikipedia)
O Sr. da Eletrostática deveria pensar seriamente em negociar uma aposentadoria precoce na ilha da besteira de nome Canal FUTURA. Lá, ele poderia alugar uma casa, bem ao lado dos heróis de Capitão Planeta; ele estaria entre amigos, embora a natureza de suas ONGs seja diferente: a de Planeta é ambiental e a de Choque é social. Casa com vizinhos afins não ia faltar, isto é certo, já que intenção de todos os moradores de FUTURA, A Ilha da Fantasia, é a exatamente a mesma: lavagem-cerebral infanto-juvenil. Se as esquipes dos dois desenhos compreendessem a sua função compartilhada no universo, poderiam inclusive juntar forças em uma liga que poderia se chamar, quem sabe... The Brainwashers[neologismo] - Os "Lavadores" de Cérebro.

Os garotos de Capitão Planeta lutam em prol do meio ambiente enquanto vilões dos mais variados tipos tentam se dar bem as custas da natureza. Um exemplo é Porco Greedly, um híbrido de porco e humano, sedento por dinheiro - porco capitalista? Ao final dos episódios eles ensinam a importância em se preservar a natureza e proteger os animais. O desenho só existe para o final, para a moral da história, com uma função social e educacional. Lembrem-se ainda, que o grupo dos chamados protetores é formado por "escolhidos" de diferentes países unidos por uma causa: sustentabilidade.

Estes protetores foram escolhidos pela Deusa Gaia. Em 1972 James Lovelock imaginou uma besteira sem tamanho que foi levada muito a sério: A Hipótese Gaia. Nesta teoria maluca a Terra seria um grande organismo, e o comportamento dos humanos estaria intimamente ligado às suas TPMs como por exemplo aquilo que chamam hoje de aquecimento global antropogênico, ou seja, causado pelo homem (outro mito da ciência). Este é justamente o papel de Gaia na série: ficar doentinha e pedir ajuda quando a Terra/natureza (ela mesma) está em apuros. Ao humanizar a Terra na figura de uma mulher, uma espécie de Deusa Mãe com sentimentos, emoções e dor, torna-se muito mais fácil a propaganda sustentável. Com Gaia em apuros, os protetores usam seus anéis para evocar seu "maridão", o Deus Pai da série, o Capitão Planeta. Entendi... aprendem sustentabilidade e por tabela se convertem à religião new age!

À propósito, nestes tempos de "verde", a nova cor do comunismo, não é de se estranhar que Capitão Planeta ganhe uma adaptação para o cinema.

"Vai, Planeta!" Quem cresceu na década de 90 lembra bem deste bordão. Era o grito de incentivo dos Protetores para que o Capitão Planeta, o heroi ecológico, entrasse em ação. Pois agora será a vez dele agir nas telas de cinema.

Os produtores Don Murphy (Transformers) e Susan Montford (Gigantes de Aço) fecharam acordo com o Cartoon Network para desenvolver um filme com atores baseado no desenho Capitão Planeta, exibido na TV entre 1990 e 1996. A dupla vai ainda mais longe e pretende que este seja apenas o primeiro de uma série. "Susan e eu começamos a perguntar às pessoas em torno de 20 anos qual era seu desenho favorito e elas começavam a cantar a música tema de Capitão Planeta", disse Don Murphy, justificando a escolha. A ideia é que o filme siga o estilo Roland Emmerich, o diretor famoso por filmes catástrofes como 2012, Independence Day e O Dia Depois de Amanhã. "O mundo exibido no filme será bem parecido com o atual, com terremotos no Japão, icebergs derretendo, furacões em Phoenix... tudo isto está realmente acontecendo", explicou o produtor.

Ainda é cedo para falar em nomes para assumir a direção e integrar o elenco. Da mesma forma, não há previsão sobre quando o longa-metragem do Capitão Planeta chegará aos cinemas.

Este é a segunda adaptação para o cinema de um desenho de sucesso do Cartoon Network anunciada nos últimos meses. Em junho deste ano o produtor Joel Silver (Matrix) fechou contrato para um filme com atores baseado em Ben 10, que será bancado pela Warner. Até o momento não há diretor nem elenco definidos para o projeto. (por Francisco Russo em http://www.adorocinema.com/cinenews/capitao-planeta-rumo-ao-cinema-7461/)
Super Choque faz o mesmo, só que para a "Comunidade". Seu heroísmo não vai além de si mesmo, além do homem, sua moral não é exemplar, ele é só um ongueiro com super-poderes. Se for pela cor não dá nem pra comparar com o herói intergalático John Stewart, o Lanterna Verde. Se for pela geração é preferível Batman do Futuro, Zeta, ou os infantis Titãs.

Desenhos não podem ser apenas desenhos? Segue os elementos que fazem de Super Choque, o Super-herói Ongueiro:

1) Super Choque é desarmamentista, porque perdeu a mãe em um tiroteiro em uma briga de gangues durante os chamados Tumultuos de Dakota;
2) Super Choque não imagina que armas brancas, como facas de cozinha, também poderiam ter vitimado seu ente amado; se a mãe dele tivesse sido morta a colheradas, é quase certo que Super Choque lutaria contra mestres-cuca ao bom estilo Jackie Chan;
3) Super Choque passa a odiar ainda mais as armas de fogo quando Jimmy Osgood, garoto franzino, carente, que vive enfiado no computador e sofre bullying na escola, atira no seu melhor amigo Ritchie; 
4) A psicóloga que cuida do trauma dos alunos envolvidos no caso Jimmy Osgood, comenta como quem não quer nada o percentual de pessoas que são atingidas por armas de fogo, inclusos, destaca ela, os casos de armas para defesa da família;
Jimmy Osgood
5) Osgood é tratado ao final do episódio como uma pobre vítima doente e os bully (valentões) como cruéis vilões;
6) Super choque ensina que não devemos ter preconceito com garotos que acabam de sair do reformatório, como é o caso de Marcus Reed;
7) Super Choque desconfia de Marcus porque os ataques começam justamente quando ele sai da cadeia; ao final ele tem de se desculpar pelo preconceito, porque a criminosa da vez, na verdade, era a ex-namorada de Marcus;
8) Ritchie, melhor amigo de Virgil - identidade secreta de Super Choque - e seu pai são brancos > loiros. Virgil e seu pai são negros. O pai de Ritchie odeia negros. Super Choque e seu pai ensinam ao pai de Ritchie que seu preconceito é bobo ao salvarem sua vida;
9) Super Choque ensina humanidade ao Batman. Allie, uma menina mutante e como a maioria das personagens da série ela não tem livre-arbítrio, estava perdida e confusa e por isso fazendo coisas erradas. Virgil pede uma chance para Batman e consegue endireitá-la. Ao final, Bruce Wayne investe na cura da garota;
10) A irmã de Virgil, Sharon Hawkins, é conselheira de jovens no centro comunitário Homem Livre em parceria com ninguém mais ninguém menos que o pai, o diretor do centro. A concelheira de Marcus Reed foi Sharon;
11) O homem elástico, namorado de Sharon, é disléxico. Ao final de um episódio ele conversa com o telespectador sobre a doença (já pensou no Batman ou o super-homem dando lição de moral no final dos episódios?).
12) Criminosa por uma boa causa (?), Kellie Reginalds ajuda o irmão a roubar para conseguir dinheiro para comprar uma casa melhor para a avó morar; 

Super Choque deveria se unir à turma do Capitão Planeta e não à Liga da Justiça

1 comentários:

cara deixa de ser revoltado até o que vc disse do capitão planeta tem sentido mais o super choque fik frio brow

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Siga O Macartista: